Discurso do Vereador Linho proferido na tribuna do Plenário Joab José Puccinelli durante a Palavra Livre da 10ª Sessão da Câmara Municipal de Indaiatuba, realizada em 18 de Abril de 2016:

Eu gostaria de me manifestar aqui sobre alguns assuntos. Inicialmente gostaria de cumprimentar o jornal “Tribuna de Indaiá” pelos 61 anos, se não me engano completados ontem, é o jornal mais antigo da cidade e eu sempre digo que quem quiser contar a história de Indaiatuba terá que abrir um capítulo inteiro para o jornal “tribuna de Indaiá” que obviamente tem participado cotidiano da cidade em seus grandes momentos. Saber da história de Indaiatuba passa necessariamente pelas páginas da “Tribuna”. Fica aqui então o nosso cumprimento e o desejo de que o jornal continue ocupando o espaço que sempre ocupou.
Eu queria também falar sobre os serviços urbanos. É cada vez mais frequente a queda na qualidade do serviço. Eu não sei o que é que acontece, eu não sei se é uma disputa política, eu não sei se é um desalento com algo que aconteceu e se esperava de forma contrária, mas o fato é que a queda na qualidade dos serviços públicos é visível no tocante à responsabilidade da SEMURB, seja através do Cata Bagulho que não acompanhou o crescimento e o desenvolvimento da cidade, não acompanhou as grandes mudanças econômicas do país e acha que ainda com o mesmo pessoal e com o mesmo número de veículos de anos atrás se consegue dar conta desse serviço. Não, não dá conta. O mesmo com relação à poda e erradicação de árvores, remoção de objetos e tudo mais. Isso sem contar a conservação de praças e jardins. O que agente nota é que há um certo esmero pela pelo canteiro de grandes avenidas, por onde passa um trânsito relativamente grande, no sentido de que aquilo se torne uma vitrine, o que não corresponde à realidade da periferia e até de regiões menos periféricas e mais centrais. Eu fico muito preocupado com isso e gostaria de saber o que é que acontece naquela Secretaria.
O aterro de inertes, por exemplo, eu sugiro aos senhores Vereadores que vão lá conhecer, os que não conhecem ainda, e tirem suas próprias conclusões, e busquem, Nobre Presidente em exercício, comparação com tempos anteriores. A queda é brutal. Isso mais cedo ou mais tarde vai desaguar aqui, então é preciso mudar isso. Além do que, nós perdemos o selo “Verde-Azul”. Então o que é que está sobrando de questão ambiental na cidade? A Secretaria vem colecionando derrotas.
Ontem nós tivemos a votação de um pedido de Impeachment da Presidenta e foram seis horas de um espetáculo vergonhoso, triste, onde a imensa maioria, senão a totalidade dos que votaram pelo Impeachment, votaram “por Deus”, votaram “por Jesus”, votaram “pelas criancinhas”, votaram “pelo pentacampeonato”, votaram pelas suas cidades, votaram pelo marido, pela esposa, pelos filhos, pelos netos, pelos cachorros, pelos gatinhos, passarinhos, mas não fizeram a menor menção ao que seria o crime de responsabilidade da Presidenta. Não tem, não resiste.
Eu não crio ilusões de que no Senado será muito diferente, onde se acredita que os Senadores tem um preparo melhor, tem um conhecimento melhor. Tem nada. Ficou muito claro que o que aconteceu ontem, aquele espetáculo vergonhoso, só ocorreu daquela forma porque ele reproduz naquele ambiente o que é parte da nossa sociedade. E tem várias Câmaras Municipais que são idênticas, tem várias Assembleias Legislativas que são idênticas, parece até reunião de diretoria de clube de futebol, que é idêntico. Está valendo agora para 6ª maior economia do mundo as decisões de um time que perdeu três vezes o campeonato, troca o técnico. Estão tratando a 6ª maior economia do planeta dessa forma. Então aquele espetáculo não é novidade para ninguém. Aliás, quem assistiu a votação do processo de Impeachment do Presidente Collor sabe muito bem que votar por “Deus” pela “família”, por tudo aquilo, também ocorreu lá atrás, isso não mudou.
Agora, cada um daqueles que protagonizaram aquele triste espetáculo, todos eles, entraram pela porta da frente, ou seja, foram eleitos pelo voto direto, secreto e livre da sociedade. E ali não dá para se criticar aquele de menor escolaridade, não há diferença ali, é questão de princípios, de moral, e muitos não conhecem isso. Alguns ali até se aventuraram a dizer: por que é que na época de Collor valia o Impeachment, o PT dizia que era Impeachment e agora está dizendo que é golpe? As coisas agora são muito diferentes, a história registra isso.
Primeiro, lá a acusação era contra o Presidente, era acusação de corrupção, era contra o seu Governo, dentro do seu Governo. A Presidenta Dilma não é acusada de ser corrupta, muito pelo contrário. O Governo dela não é acusado de ser corrupto, não é lá dentro e não se comprovou nada, não há crime de responsabilidade.
O nosso país está sendo motivo de piada aí fora, eu até postei numa das redes sociais que uma revista alemã colocou que foi um espetáculo parecido com um carnaval, colocou que muitos dos que estavam ali respondem a processos e se arvoram no direito de apontar o dedo para quem não está sendo investigada, não está respondendo a processo nenhum. Virou!
Agora, não se iludam, a cobrança virá! Nós vimos ali na maior cara-de-pau, parlamentares que literalmente até a véspera ocupavam cargos de Ministros.
Nós tivemos aqui a primeira vez que um Presidente da República visitou nossa cidade, especificamente nossa cidade, no exercício do cargo. O Presidente Lula esteve aqui em 2003 mas ele não veio a Indaiatuba, ele veio exclusivamente para a Conferência da CNBB, se a CNBB na ocasião se reunisse em Aparecida como é já ele teria ido a Aparecida, então não dá para considerar que o Presidente Lula veio a Indaiatuba no exercício do mandato. Antes disso o Presidente Fernando Henrique esteve na inauguração da Toyota se não me engano em 1997. Ele veio na inauguração da Toyota, não veio a Indaiatuba, aliás era na beira da estrada, o que facilitou a vida dele. Se a Toyota existisse em Pirapora ele iria em Pirapora.
Assim, o único Presidente que veio a Indaiatuba no exercício do mandato, para inaugurar uma obra, inclusive uma obra Federal foi a Presidenta Dilma, e na ocasião ela veio acompanhada do então Ministro das Cidades, Gilberto Kassab, que foi Ministro até sexta-feira. O que fez o partido dele? Tirou que votariam contra o Governo ao qual pertenciam. A razão? Não precisa. Claro que temos que citar aqui as raras exceções. O Deputado Leonardo Picciani do Rio de Janeiro que manteve uma postura do começo ao fim mesmo com a pressão do seu partido. Todos nós sabemos que o PMDB funciona como uma frente, ele não tem uma unidade partidária, uma unidade de programa, mas eu não estou dizendo aqui que a razão foi só o PMDB, as traições aconteceram de tudo quanto é lado. A fidelidade ficou por conta mesmo do PT e do PCdoB, e olha lá, porque se formos pegar no apanhado todo desde o início do mandato nós temos pelo menos dois Senadores que foram eleitos pelo PT e hoje estão fora, então tem muita gente que se aproveitou do partido.
Mas a questão é a seguinte, é vergonhoso o que aconteceu ontem. É golpe, é golpe e é golpe. Sempre será golpe e será registrado pela história. Eu dei aula durante 33 anos, e invariavelmente eu explicava sobre os golpes nesse país, e vou continuar explicando porque agora tem mais um, novo. O primeiro golpe foi o golpe da maioridade, quando numa “penada” se antecipou a maioridade do Imperador, que tinha 15 anos, para poder assumir o Poder no país, Imperador Pedro II. O segundo golpe foi o da chamada Proclamação da República, um historiador muito bem humorado chamado Leôncio Basbaum disse que a Proclamação da República aqui no Brasil teve tanto efeito no povo quanto a morte de um gato na China, pobre do gato. A China tem bilhões de gatos. O outro golpe foi o de 1930, dado por Getúlio Vargas. O outro foi dado por ele mesmo no próprio Governo. E se tentaram vários outros até chegar em 1964. Boa parte dos participantes do golpe de 1964, estavam presentes no golpe de 1930 e participaram do golpe de 1937. E agora nós tivemos esse aqui.
A grande mídia que hoje posa de santa se esquece que colaborou enormemente para esse espetáculo dantesco e vergonhoso que está lá. Não foi ela que durante muito tempo publicava com ênfase as peripécias do Presidente da Câmara? E notem, já se fala até que ele vai escapar até do processo de cassação. Se isso ocorrer o golpe é muito maior, é um golpe ao quadrado.
Então a história registra. A história registra que golpe será sempre golpe, e não tenho medo, nas escolas esse dia infame será ensinado como golpe, e os seus protagonistas vão para a lata do lixo da história, para o limbo como foram aqueles de 1964. E eu discordo do Presidente da Casa quando diz que não houve agressão, houve uma agressão violentíssima contra todos aqueles que defendem a democracia, uma agressão violentíssima contra as mulheres em se fazer apologia a torturador da ditadura militar. Aquilo foi uma agressão, como que não? O próprio Impeachment é uma agressão na forma como foi colocado, porque também tem muito do ingrediente do fato do nosso país ser governado por uma mulher. E pior ainda, uma mulher que vive sozinha. E pior ainda, uma mulher que pelos padrões de beleza é considerada feia. Ela só faltou ser nordestina e negra, aí então estava completo o quadro de discriminação, está eivado disso e é preciso também que as próprias mulheres combatam isso.
Eu vou encerrar, Nobre Presidente, dizendo o seguinte. As ofensas nos últimos anos praticadas contra a Presidenta Dilma, muitas dessas ofensas nas rede sociais praticadas por mulheres, usando os piores argumentos que os homens machistas, homofóbicos e tudo mais usam contra as próprias mulheres. É deprimente saber que nesse golpe todo deputadas votaram contra a condição feminina, porque não tinham a menor convicção do porquê que estavam votando. Votaram contra vocês, por exemplo. Votaram contra vocês, nós sabemos, grande parte daquela turma toda é contra tudo aquilo que nós defendemos. Mas a história registra, é lamentável.
E eu quero dizer aqui dessa Tribuna aquilo que já disse antes, o meu partido, o Partido dos Trabalhadores, o partido que ajudei a fundar e continuo ajudando a construir, é o meu partido, eu tenho orgulho imenso de pertencer a ele, não tenho a menor vergonha, debato com qualquer um em qualquer campo, exceto nas redes sociais porque ali a lógica não impera jamais, não dá. Eu debato em qualquer campo civilizado, não que a internet não seja, mas infelizmente as pessoas incivilizadas se aproveitam disso para no anonimato ofender aos outros. Eu quero dizer que continuo petista com orgulho, com honra e não me envergonho, e continuo defendendo a Presidenta Dilma, o ex-Presidente Lula, em quem eu confio plenamente e continuarei confiando. Fica aqui o registro dessa data infame que foi o dia de ontem.