Discurso do Vereador Linho proferido na tribuna do Plenário Joab José Puccinelli durante a Palavra Livre da 7ª Sessão da Câmara Municipal de Indaiatuba, realizada em 28 de Março de 2016:

Senhor Presidente em exercício, Nobre Vereador Túlio; Nobres Vereadores; companheiros da Imprensa; a representante do Movimento Voto Consciente, sempre aqui se revezando com as demais; companheiros que aqui permanecem.
Eu queria abordar alguns assuntos e aproveitar a presença do Presidente aqui e lembrar que no ano passado foi aprovado um Requerimento do Vereador Gervásio convocando o Secretário da Segurança para prestar informações aqui em Plenário e até agora não foi marcado. Já se passaram mais de 3 meses, descontando o recesso quando não se conta prazo, e me parece que tem prazo para o Secretário comparecer.
Eu particularmente não tinha nenhum interesse na vinda dele aqui. Votei favoravelmente ao Requerimento do Vereador Gervásio, mas acredito que cabe ao Vereador e ao Presidente ultimarem as providências para o comparecimento do Secretário, é a respeito da questão da alimentação da Guarda Civil Municipal.
Por falar nisso, se for ver bem certo, mais Secretários deveriam ser convocados. Uma matéria da Tribuna de Indaiá, que eu confesso que não me recordo de quem foi a lavra, me perdoem, não me recordo de quem fez a matéria, mas me baseio muito mais no Editorial da lavra da jornalista Mariana Corrér, Editora Chefe, que fala sobre a perda do selo “Verde-Azul” que é importante para a concessão de verbas para o meio ambiente. Indaiatuba caiu, ficou fora do ranking e não pode pleitear essas verbas por conta disso.
A explicação do Secretário de Urbanismo e Meio Ambiente foi a de que o órgão que faz as análises não teria levado em conta aquilo que a Secretaria fez de Projetos, mas não foi bem isso. Novamente a Administração admitiu que houve um “erro técnico”. Assim foi com o Projeto do IPTU do Parque dos Sabiás, agora também na perda do Selo Verde-Azul, e em outras questões. Isto comprova que nem tudo aquilo que vem de lá do Executivo é “perfeito”. Agora, como bem cobra o Editorial da Tribuna, a Administração tem a obrigação de dizer qual foi o erro técnico, quem cometeu e quais as sanções ao responsável, porque envolve toda uma comunidade, toda a cidade, assim como o “erro técnico” do IPTU do Parque dos Sabiás envolveu centenas de proprietários de lotes. Então é preciso apurar isso, como é preciso apurar outras coisas também. Então fica aqui o nosso registro sobre essa matéria.
Ainda com relação aos Serviços Públicos, me parece que falta fiscalização, e existem alguns serviços importantíssimos, Serviços Públicos, que não estão sendo observados como se deve, e eu temo que num futuro muito próximo alguns desses serviços cheguem próximos ao colapso.
Para que se tenha um exemplo, onde antes se viam três tratores fazendo a manutenção de praças e de áreas verdes, agora só se vê um, e onde o serviço era feito em meio período, agora passa-se uma semana e o serviço não foi completado. Próximo à minha casa eu tenho um exemplo, o serviço começou na quinta e ficou pela metade. Vejam bem, procurem saber o número de viaturas colocadas para a fiscalização de trânsito.
E isso me remete ao seguinte, Vereador Bruno, está se cometendo uma injustiça, inclusive depreciando o local que foi entregue recentemente que é o Campo Bonito. É um conjunto muito bonito, todo mundo sabe, um dos maiores do Brasil, as pessoas que adquiriram tanto as casas quanto os apartamentos são pessoas honradas, são pessoas humildes, estão felizes com o que conseguiram e eu não entendo porque essa onda de que lá no Campo Bonito tem tráfico, lá no Campo Bonito tem violência, devagar! Tráfico tem na cidade inteira, violência tem na cidade inteira, porque a pecha agora somente naquele local? Não concordo com isso não. Repito, são pessoas honradas, pessoas dignas, que pagam seus impostos.
Nós temos que entender que alguns serviços ainda não existem lá, estão sendo implementados, é possível que tenha havido uma falta de planejamento, uma falta de visão na implantação, mas ninguém aqui está apontando o dedo.
Eu li, e fiquei satisfeito que agora no mês de Abril, já deve haver lá a feira-livre, isso é muito bom. Li com satisfação uma matéria também da blitz da Secretaria da Segurança, da Guarda Civil, o que é muito correto também, mas é preciso que seja permanente e que se cobre também a mesma atuação em outros lugares do município, porque senão vai parecer que tudo de ruim tem naquele local. Não! É um local muito bom. Repito, são pessoas boas, e tem tudo para ser um dos melhores lugares da cidade. Isso vai depender da capacidade e da organização dos moradores, e nesse momento nós temos que auxiliá-los, e não transferir para aquele bairro as mazelas que tem na cidade toda. Fica aqui a minha solidariedade àqueles cidadãos. E fica aqui a minha cobrança, principalmente nas redes sociais: a cidade não tem um bairro só, tem vários. Será que é porque lá é a moradia de pessoas mais humildes? A classe média-alto não faz nada de errado nessa cidade? Se faz, também tem que ser olhado, e não transferir para um lado só.
Eu quero terminar dizendo o seguinte: nós estamos atravessando momentos agitados do ponto de vista da economia, da política, e infelizmente uma coisa que ganha corpo a cada dia é o ódio. O ódio e a intolerância a determinados atores da sociedade, contra o/a homossexual, contra o negro, contra o índio, contra os menores, é contra quem se veste de vermelho! Nós temos visto aí Vereador César e Vereador Túlio, eu sei que Vossas Excelências não concordam com isso, mas nós temos casos aí noticiados pela imprensa de intolerância inclusive contra crianças e idosos simplesmente porque estavam com uma peça de roupa vermelha.
Eu vi um vídeo esses dias de uma lanchonete no Rio de Janeiro, em que o cidadão jogou um copo de chopp em uma senhora simplesmente porque ela estava com uma camiseta vermelha. Agressões então…
E agora me parece o mote para se definir, todos esses atores, seja o negro, seja o homossexual (ele ou ela), seja o pobre, seja ao religioso que se manifesta: é comunista! Eu quero afirmar, com todas as letras, neste tempo em que estamos vivendo: eu sou parlamentar do Partido dos Trabalhadores, o PT, tenho muito orgulho disso, a minha história toda está nesse partido, visto sim vermelho, coloco minha estrela, tenho consciência do meu trabalho, e desafio que se aponte um trabalho de fiscalização e combate à corrupção de defesa da transparência de tudo quanto há no setor público em que eu tenha feito menos do que outros. Eu sou petista, sou de esquerda, tenho minhas convicções e continuarei a sê-lo.
Eu só vou me surpreender no dia em que um cidadão com um carro simples, de cor vermelha, for atacado. Eu fico imaginando como seria um ataque em plena região dos Jardins contra um cidadão indefeso, que esteja circulando com uma Ferrari vermelha. Já imaginaram?